Ainda precisamos de marcas?

marca

Os consumidores estão bloqueando anúncios, o valor da marca está caindo e a maioria das pessoas não se importaria se 74% das marcas desaparecessem completamente. As evidências sugerem que as pessoas perderam completamente o amor pelas marcas.

Então, por que isso acontece e isso significa que as marcas devem parar de priorizar sua imagem?

Consumidor capacitado

A simples razão pela qual as marcas estão sendo destituídas de sua posição de poder é porque o consumidor nunca teve tanto poder quanto hoje.

Competir pela fidelidade à marca sempre foi difícil, mas agora é uma batalha feroz; o aumento nos gastos com anúncios digitais significa que o próximo melhor produto e preço está a apenas um clique de distância. UMA Estudo de dinâmica de mídia sobre exposição de anúncios revelou que os consumidores veem uma média de 5000 anúncios e exposições de marcas por dia

Existem tantas alternativas para os clientes que a marca que vende para eles às vezes é vista como menos importante, é mais sobre o serviço que a marca oferece ou o preço pelo qual estão vendendo os produtos que diferencia uma empresa das demais. Acrescente a isso o fato de que os consumidores agora se conectam com marcas em vários canais, é cada vez mais difícil para os profissionais de marketing e anunciantes ganharem atenção.

Conveniência Sobre Apelo Emocional

Essas circunstâncias significam que os serviços que as marcas oferecem hoje precisam priorizar o cliente. As empresas mais bem-sucedidas priorizam a experiência do usuário em vez de benefícios emocionais e a inovação rápida em vez de margens de longo prazo. Basta olhar para o Uber interrompendo a indústria de locação privada ou o Airbnb mudando a cara das viagens. O Spotify é um exemplo de empresa que pela primeira vez valorizou o acesso ao invés da propriedade.

Os consumidores cada vez mais preferem produtos e serviços que forneçam experiências de usuário de primeira classe sob demanda em vez de apelo emocional e grandes ideias. Uber, Airbnb e Spotify obtiveram grande sucesso porque foram capazes de fornecer uma experiência dinâmica ao cliente que resolve os problemas que as empresas existentes não têm.

Como resultado dessas expectativas crescentes, as empresas e setores enfrentam interrupções constantes. Sempre há uma empresa em crescimento que pode oferecer um serviço melhor do que um player já estabelecido. Isso, por sua vez, força cada marca a continuar melhorando seu jogo em termos de experiência do cliente, e os consumidores se beneficiam da competição acirrada.

Imagem de marca x experiência do cliente

Em última análise, as marcas de sucesso hoje dependem menos da imagem de sua marca e mais da experiência direta do cliente com seu produto ou serviço. Portanto, embora o valor das marcas possa estar diminuindo, o valor dos relacionamentos com os clientes está aumentando.

Como Scott Cook disse uma vez: “Uma marca não é mais o que dizemos ao consumidor que é, é o que os consumidores dizem uns aos outros que é”. Fornecer uma experiência excepcional ao cliente é, portanto, fundamental para as marcas, para facilitar a fidelidade à marca e garantir que os consumidores compartilhem experiências positivas com a marca.

Marcas que representam algo

A imagem da marca sempre será importante, mas está usando uma nova roupagem. Os consumidores sempre quiseram ser associados a marcas que representavam as mesmas coisas que eles individualmente, mas agora espera-se que as marcas cumpram essas promessas. Eles precisam fazer o que dizem que sua marca representa, porque o branding entrou em uma era de responsabilidade. Os jovens consumidores procuram marcas que vivam a história que contam.

Chocolonely de Tony é um exemplo interessante da Holanda; a marca tem como missão conseguir chocolate 100% livre de escravos. Em 2002, o fundador da empresa descobriu que as maiores empresas de chocolate do mundo estavam comprando chocolate de plantações de cacau que utilizavam a escravidão infantil, apesar de terem assinado um tratado internacional contra a escravidão infantil.

Para lutar pela causa, o fundador se tornou um 'criminoso do chocolate' ao comer o chocolate ilegal e levar-se ao tribunal. A empresa foi se fortalecendo e em 2013 vendeu sua primeira barra de chocolate 'Bean to Bar', como resultado do apoio que havia conquistado para seu curso. Os clientes não estão apenas comprando o chocolate, mas também a causa para a qual a marca foi criada.

Navegando pelos desafios da marca do século 21

Sempre precisaremos de marcas, mas para uma marca ser amada, hoje em dia as apostas são maiores. Não se trata mais de criar uma imagem de marca, mas de incorporar essa marca em todos os aspectos de negócios e marketing. As marcas agora são feitas pelas experiências que fornecem aos seus clientes.

Portanto, em última análise, a marca é mais importante do que nunca - apenas mudou. As marcas devem aprender a atender a um consumidor novo e capacitado que está procurando uma marca que represente algo. Este novo e competitivo cenário digital é um desafio, mas também proporcionará oportunidades de sucesso nesta nova era.

'Sucesso em uma nova era' foi o tema deste ano para a conferência anual OnBrand de Bynder, onde palestrantes de marcas como Uber, Linkedin, Twitter e HubSpot compartilharam suas histórias sobre como construir uma marca de sucesso no século 21.

Inscreva-se para receber as últimas notícias sobre o OnBrand '17

O que você acha?

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.